requeijão

2008 ago

A rica história do Requeijão Catupiry (“excelente” em tupi-guarani), produto de características essencialmente brasileiras, começa na cidade mineira de Lambari, no Circuito das Águas, em 1911. Naquele ano, o imigrante italiano Mário Silvestrini, inventor do produto, iniciou a produção industrial, transferida para a vizinha São Lourenço em 1922 e, em 1949, para São Paulo. A célebre caixinha redonda de madeira, substituída em 1990 por uma de polipropileno, é dessa época, com rótulo nas cores vermelha, azul e branca. Este mantém até hoje inalterada a essência gráfica, cujos elementos decorativos, estilizados e simétricos, são típicos do início do século XX.

2006 mar

O Laticínio Poços de Caldas (LPC), hoje controlado pela francesa Danone, pode ser considerado pioneiro na fabricação de requeijão cremoso no Brasil. Uma das primeiras receitas do alimento foi inventada em 1950 por Moacir de Carvalho Dias, responsável pelo laticínio à época. Ele desenvolveu um preparado lácteo cremoso bem diferente do queijo minas a que seus fregueses estavam acostumados. O sucesso foi repentino. Mais dura que os requeijões e especialidades lácteas atuais, a novidade acabou batizada como Poços de Caldas Chisi Cremoso, numa adaptação fonética da palavra cheese. Por anos o produto foi vendido em papel laminado acondicionado em formas de madeira. Os copos de vidro, que nos últimos anos a empresa substituiu por recipientes plásticos, numa migração generalizada na categoria, só seriam adotados em 1964, com ajuda de uma máquina manual para colocação de tampas recravadas. Também na década de 60 a LPC buscou na França tecnologias para produzir iogurte com frutas, inexistente no país até então. Assim surgiu a parceria com a Danone, que chegou ao Brasil em 1970, quando a marca Chisi deu lugar ao nome da multinacional francesa nos rótulos do requeijão Poços de Calda.

2004 ago

No momento em que se multiplicam as soluções de fácil abertura para latas de aço e copos de vidro, deve haver quem lembre que menos de vinte anos atrás destampar embalagens de derivados de tomate e requeijão era um duro exercício que exigia o uso de instrumentos auxiliares. No caso de latas, era preciso usar um abridor; no de copos, fechados por sistema de recravação, recorria-se a facas, chaves de fenda, garfos, objetos assim. Foi em meados de 1988 que a mídia começou a anunciar “para breve” a comercialização de um sistema de fechamento de copos de vidro que deveria “seguramente marcar o início de uma nova era”. Tratava-se da hoje conhecidíssima tampa Abre-Fácil, desenvolvida pela Metalgráfica Rojek em conjunto com a vidraria Nadir Figueiredo. Estreou no requeijão em copo Chisi, da LPC (Laticínios Poços de Caldas), posteriormente absorvida pela Danone.