2015 dez

Estão à venda as quatro edições do Almanaque Especial EmbalagemMarca. Cada volume tem mais de 50 páginas com histórias, curiosidades, cases interessantes e atraentes sobre embalagens e marcas no Brasil e no mundo. As edições podem ser compradas separadamente ou em conjunto, com desconto.

Formato: 16x23cm

Frete grátis para todo o território nacional.

Mais informações pelo telefone (11) 5181-6533

Prazo de entrega: até 7 dias após confirmação do pagamento.

 

Para comprar, é só acessar http://emb.bz/almanaque4

 

2015 ago

O primeiro desodorante comercial da história surgiu apenas no século 19. Até então, os odores corporais eram disfarçados com soluções caseiras. Em 1888, foi lançado na Filadélfia, nos Estados Unidos, o desodorante Mum. O produto foi criado por um inventor cujo nome perdeu-se na história. Tratava-se de um creme para ser passado nas axilas com a ponta dos dedos. O Mum era acondicionado em um frasco de vidro cilíndrico (mais tarde substituído por uma lata de aço).

A marca foi registrada pela Brystol-Myers em 1931.

Primeiras embalagens de vidro foram substituídas por latas

Primeiras embalagens de vidro foram substituídas por latas

 

2015 mai

DanoninhoDanoninho inaugurou a categoria de queijos tipo petit suisse em 1973, três anos depois da chegada da Danone ao País. Na década de 1970 e até os anos 1980, o produto tinha diversos sabores, como ameixa, abacaxi, morango, salada de frutas, banana e pera (hoje só existe o sabor morango). Um dos apelos de venda do Danoninho na época era a versatilidade da sua embalagem. O copinho termoformado podia ser transformado em diversos brinquedos, como mostra a propaganda de 1979, veiculada em gibis.

2015 mai

fabrica-da-nestle-em-spQue a Nestlé não foi a primeira produtora de leite condensado do Brasil? A multinacional suíça inaugurou sua primeira fábrica no País em 1921, a partir da aquisição da Companhia Ararense de Leiteria, de Louis Nouguès, que já produzia o Leite Condensado Ararense desde 1913.

2015 mai

Nos tempos atuais, em que a palavra inovação é empregada a torto e a direito, há aqueles que, em palestras e artigos, procuram “inovar” e apelam para termos não muito comuns até mesmo no campo do marketing, como “autoindulgência” e “serendipidade”. Para impressionar mais, às vezes jogam sobre seus públicos o original desta última em inglês (serendipity), assim como dizem “databeize” ao referir-se a bancos de dados, isto é, à latiníssima expressão data base, que se deve pronunciar assim, e não com entonação americana. Quanto a serendipidade, a palavra foi criada pelo escritor inglês Horace Walpole em 1754, inspirado no conto infantil do poeta persa Amir Khusrow Os Três Príncipes de Serendip, que se passa naquele país, hoje chamado Sri Lanka. Serendipidade, serendipitia ou serendipitismo nada mais é do que a definição para boas descobertas ocasionais, a partir da observação de coisas ocorridas ao redor de quem tem a ideia. Exemplo: na década de 1950, um vendedor de uma vidraria brasileira observou pessoas tomando água em latas de extrato de tomate, nas vendas de beira de estrada, e se perguntou: “Por que não embalar esse produto em copos de vidro?”. Na época, esse caso supostamente inaugural de nossa serendipidade se chamava “estalo”, termo que dá crescente espaço a “insight”.

Ilustração do conto do poeta persa Amir Khusrow

Ilustração do conto do poeta persa Amir Khusrow

2015 abr

Na década de 1940, fazia sucesso o tônico capilar Juventude Alexandre. O produto, acondicionado em frascos de vidro, era indicado para problemas de queda de cabelos, caspa, seborreia e calvície precoce. Também podia ser utilizado para combater os cabelos brancos, embora não fosse uma tintura. Devido ao seu multiuso, era apelidado na época de Alexandre, o Grande Tônico.

Anúncio do tônico capilar Juventude Alexandre, de 1942

Anúncio do tônico capilar Juventude Alexandre, de 1942

2015 abr

Papinha-NestleA primeira papinha industrializada do Brasil foi lançada em 1968. O Alimento Homogeneizado Nestlé tinha treze variedades, “prontinhas para servir”. O produto era acondicionado em lata de aço, que podia ser levada ao banho-maria. Anos depois, a embalagem metálica foi substituída pelo pote de vidro – até hoje em uso pela Nestlé, ao lado de potes e pouches (bolsas) feitos de plástico.

2015 abr

Mais conhecida por seus fermentos, a Itaiquara iniciou sua história em 1909 como usina de açúcar. O engenho foi fundado por João Baptista de Lima Figueiredo onde atualmente fica a cidade de Tapiratiba (SP), numa fazenda que anos antes trocara o nome Bica de Pedra por Itaiquara. Motivo: a Cia. Mogiana de Estradas de Ferro decidira instalar naquelas terras uma estação de trem, e já havia outra com a mesma denominação. O novo nome foi uma sugestão de Teodoro Sampaio (1855-1937) – célebre intelectual que, além de engenheiro geógrafo e responsável pela construção daquela ferrovia, era também professor de tupi. Sua ideia foi juntar ita (“pedra”), i (“água corrente”) e quara (“oco”) para tentar preservar o sentido da bica de pedra.

Nome de fermento foi sugerido por Teodoro Sampaio

Nome de fermento foi sugerido por Teodoro Sampaio

2015 abr

lg_six_pack_cartonO surgimento de multipacks para bebidas ocorreu em 1923, quando a Coca-Cola introduziu nos Estados Unidos seu primeiro six pack. Era uma caixa de papelão contendo seis garrafas de refrigerante. O invento teve um empurrão importante: a popularização das geladeiras domésticas. Para facilitar o transporte, as primeiras embalagens já dispunham de alça.